Pintando com Crianças

De Eren Topcu em Istanbul - Turquia

Eren fala sobre as suas experiências de pintura e criatividade com duas crianças Cristal na Turquia.

painting.jpg - 93273 Bytes

Eu sou uma artista de animação em 2D. Vivo em Istambul, na Turquia.

Costumava  trabalhar no campo da animação e produção até hoje. Devido às mudanças que experienciei em minha vida eu me senti atraída a trabalhar com crianças.

Quando esta intenção veio a mim, a vida me auxiliou a avançar nesta direção e me deu dois maravilhosos presentes antes que eu começasse a fazê-lo profissionalmente. Eu quero compartilhar com vocês estas experiências e espero que também outras muitas mais que surgirão já que continuarei trabalhando com isso.

Há poucas semanas atrás eu estive em Bodrum – Gumusluk na região turca do Mar Egeu para o projeto de um filme. Lá eu comecei a pensar que não apreciava mais trabalhar neste campo, e começava a sonhar em pintar com crianças. Eu estive lá somente por três meses e devido à duração do projeto eu supus que permaneceria lá por pelo menos mais seis meses. Havia jovens famílias com crianças surpreendentes e durante todo este tempo, três novos bebês se juntaram a nós. Eu preparei cartazes anunciando “pintura com crianças” e os distribuí em locais acessíveis, e então comecei a esperar pelos chamados. Mas, como Gumusluk está em um lugar alternativo onde  pessoas fogem da vida urbana, as pessoas ali levam suas vidas de maneira muito isolada.

Durante este tempo depois de ter tomado a minha decisão, eu comecei a ter problemas com o meu trabalho anterior por razões externas a mim. Mas como eu precisava ganhar a minha vida, eu teria que voltar para Istambul. Eu parei o meu trabalho e tirei ali a minha última semana para descansar. Nesta última semana em Gumusluk, enquanto pensava no que fazer com este trabalho, eu vi um anuncio na TV da “Fundação do Autismo da Turquia”. Como eu lera recentemente sobre as Novas Crianças, eu telefonei a eles e me informei de que maneira eles classificam estas crianças “autistas”. Os critérios eram falta de foco, linguagem atrasada e falta de comunicação. Eu perguntei qual era a idade destas crianças. A senhora ao telefone me disse que a maioria nascera em 2000-2001. Nós tivemos uma conversação agradável depois desta informação e decidi agendar uma entrevista quando eu estivesse em Istambul. Com certeza, poderíamos trabalhar juntas.

Durante este tempo, eu recebi também dois chamados para a atividade de pintura, que eu tive de recusar devido ao meu retorno obrigatório a Istambul. Mas eu tive a oportunidade de pintar com duas belas meninas nesta semana.

Estas eram Rengin e Yasemin, filhas de meus novos amigos em Gumusluk.

Primeiro, pintei com Rengin. Esta garota de quatro anos de idade era um pedaço de gênio. Ela era muito autoconfiante, excepcionalmente sábia, desenvolvida e cheia de alegria, além de sua maturidade. A língua nativa de sua mãe era o Inglês e a do seu pai era o Turco. Ela fala estes dois idiomas perfeitamente e com um vocabulário muito extenso. Sua acentuação e expressão eram tão hábeis, coisa difícil de se encontrar em um adulto. Ela também costumava tocar piano. Nós tivemos pouco tempo para compartilhar, mas foi o suficiente para conhecer os seus dons.

Com Rengin, fui eu quem sugeriu pintar e ela já estava pronta para isto com grande prazer. Começamos primeiro com as suas cores favoritas. Rengin prefere a cor púrpura, como ela a chama. Nossas cores eram muito limitadas, assim eu não podia saber qual púrpura ela preferia. Então ela colocou em ordem as outras cores que gostava como o amarelo, o vermelho, o verde e o azul. Ela não estava interessada no laranja. Nós pintamos e conversamos por algum tempo, pois era um jogo de pintar que jogávamos juntas, pintando uma de cada vez.

Na minha vez, eu perguntei qual era a sua idéia sobre o que desenhar, a primeira coisa que ela me pediu para desenhar foi um peixe. Assim eu desenhei para ela um peixe com barbatanas onduladas. As ondulações a emocionaram muito e ela continuou: “Uau, você é uma artista!” Eu agradeci, lembrando a ela que todos nós somos artistas. Ela gostou e o guardou. Novamente foi a vez dela e nós viramos a página. Primeiro ela tentou copiar o meu peixe do lado de trás do papel. Eu prefiro não deixá-las copiar e nem pintar em desenhos prontos. A maior parte das crianças, através de seus pais, desde os primeiros anos, são encorajadas a pintar em desenhos prontos. Mas isto é um exterminador no desenvolvimento da criatividade independente. Em minha experiência, eu posso dizer que possuo as minhas habilidades para a pintura e a minha expressão livre com o auxílio consciente do meu pai. Ele também é um pintor. Ao longo da minha infância, ele se esforçou para me afastar disto e me abriu espaço livre para expressar o meu próprio mundo interior.

Assim eu falei a Rengin que cada peixe é diferente do outro e cada um é unicamente belo, então eu sugeri a ela que desenhasse o seu próprio peixe em um novo papel. Isto a convenceu e ela desenhou o seu peixe. Quando ela terminou, ela gostou muito dele e reconheceu que era tão bonito quanto o meu. Eu concordei. :-)

Desta forma, eu vi outra coisa emocionante sobre Rengin; esta criança amadurecida de quatro anos de idade sabia muito bem fazer e receber elogios. Em algum instante de nosso momento juntas, Rengin mudou de lugar e se sentou entre a janela e o papel. Enquanto ela mudava de lugar, eu disse que ela poderia bloquear a luz que vinha da janela, com um sorriso sábio, ela disse:

“Meus olhos são suficientes para te iluminar!”

Para ser honesta eu aguardei um instante para estar certa do que eu realmente acabava de ouvir. De algum modo esta frase atraiu a minha atenção, mas não caiu a ficha claramente e Rengin precisou repeti-la por três vezes sorrindo, para ter certeza de que foi compreendida. Em alguns segundos, eu sorri de volta, e eu acredito que ambas nos compreendemos. J

Eu não tive a chance de ver Rengin novamente antes que  partisse, mas este breve encontro foi tão pleno, excitante e caloroso para mim que sou muito grata a ela.

Na mesma semana eu tive a oportunidade de pintar com Yasemin.

Yasemin é muito diferente de Rengin na comunicação. Ela tem três anos de idade. Não é fácil interagir com ela, a menos que ela queira se aproximar. Mas ela é pacífica em seu mundo. Como Rengin, Yasemin é também excepcionalmente sábia, mas ela prefere viver em seu próprio mundo a compartilhá-lo. Desde o momento em que eu percebi o seu comportamento especial, eu tentei me aproximar dela por duas vezes, mas ela parecia não estar interessada. Foi somente quando eu não mostrei interesse que ela ficou interessada por mim. Como eu conheço este comportamento desde a minha infância, eu deixei com que ela viesse a mim quando quisesse vir. Até que acontecesse, ela não me conhecia, nem sobre meu interesse pela pintura. Foi tão surpreendente quando Yasemin se chegou a mim um dia, de uma forma muito inesperada, com um desenho em sua mão. Ela me mostrou o seu desenho com um sorriso travesso, com seus olhos fixos em mim.

Eu fiquei muito surpresa, não somente por causa desta inesperada proximidade, mas pelo modo que soube roubar o meu coração. Na verdade, já havia roubado no primeiro momento que a vi, mas foi uma grande recepção ao seu espaço muito precioso.

O papel cheio de linhas e com formas que pareciam pirâmides triangulares chamaram a atenção à primeira vista. Eu pedi a ela que me falasse sobre o seu desenho. E assim ela fez.

“Estes são os patos”, ela disse mostrando as formas triangulares no lado esquerdo.

“E estas, estas são as espadas”, ela disse.

No papel, havia uma espada, e até uma cimitarra (sabre oriental de lâmina recurva) estava desenhada muito definitivamente.

“Os patos estão aqui, e as espadas estão aqui”, ela disse, mostrando o lado esquerdo e direito com o seu lápis. Ela estava desenhando uma amostra definida de seus símbolos e multiplicando-os com linhas não identificáveis. Ela estava inacreditavelmente segura de si  ao dizer como ela era quando desenhava. O uso da sua mão era também perfeita em ambas. O resto do papel foi preenchido com traços dinâmicos em espiral. Eu esperei que Yasemin me falasse mais sobre o desenho, mas enquanto ela controlava a comunicação, não funcionaria tentar direcioná-la, e ela só terminou quando decidiu.:)

Então ela preencheu mais alguns papéis, a maior parte deles cheios de espirais novamente. Com as expressões de todo o seu corpo e de seu rosto, ela estava adorando desenhar estas espirais. :)

Ela estava adorando desenhar teias de aranha também e estava colocando aranhas nelas algumas vezes. Sua mãe me contou que ela gosta muito de desenhar teias de aranha. Por alguma razão isto assusta a sua mãe, mas eu acredito que ela associe isto a algo importante para ela. Em minha opinião as espirais chegam pela intuição, pois elas são formas mais fechadas na geometria sagrada, e ela poderia encontrar uma analogia entre as teias e a lógica da grade que ela sente. Entretanto, ela gosta destas formas circulares alternadas juntas.

O último desenho que ela fez para mim foi uma “criança flor” como ela o chama, uma face formada de círculos com o cabelo de pétalas. Yasemin é também muito talentosa na música. Como a sua mãe diz, cada pequeno evento, cada pequena e nova coisa em sua vida é uma razão para inspirá-la. Isto pode levá-la a fazer música com a letra. :) 

Estas duas experiências foram muito preciosas e significativas para mim. Eu me sinto levemente triste porque eu tive que deixar por lá estas brilhantes crianças. Eu tenho em mente que elas têm pais preciosos e um ótimo ambiente para desenvolver suas personalidades e eu me sinto bem. Mas estou certa de que elas tinham muito mais a me ensinar. 

Eu voltei para Istambul na última semana. A fim de preparar a mim mesma mais um pouco antes de visitar a Fundação do Autismo, eu comecei a trabalhar com crianças no Jardim de Infância de minha mãe.

Nós trabalhamos duas vezes nesta última semana com dois grupos de idades diferentes que estavam entre 2.5-4 e 5-6 anos.

Nós começamos com aquarelas. Nosso tema foi o arco-íris. A maior parte das crianças não tinha visto ainda um arco-íris. Eu não lhes descrevi o arco-íris e nem mostrei um quadro dele. Mas eu lhes disse como parecia o arco-íris no céu através da ajuda da luz, com cada cor do nosso mundo. Como cada uma delas estava com cores brilhantes, eu lhes pedi que selecionassem a cor que preferissem, para começar com a sua cor preferida, e pintasse os seus arco-íris com cada cor que elas amassem. As pinturas foram surpreendentes. Foi particular com cada uma delas. Algumas delas foram muito puras, com somente o azul, vermelho e amarelo, algumas delas foram baseadas no azul, algumas delas foram baseadas no laranja e na cor magenta, algumas delas eram multicoloridas e algumas eram marrons e escuras. Eu percebi que a expressão de cor do grupo mais velho era mais forte do que a dos mais jovens, além de que as cores favoritas dos mais jovens eram a cor magenta e o azul escuro. No início, quase todos os jovens foram atraídos para a cor magenta e o azul como um ímã.

Nós temos duas crianças no jardim de infância que têm dificuldade na linguagem. Uma delas tem seis anos e a outra tem três anos. Previsivelmente, isto as torna um pouco ansiosas, por não serem capazes de se comunicar. Mas a pintura as ajuda a expressar os seus egos e as acalmam. Eu vi a pintura mais expressiva que já havia visto por crianças em uma destas. Esta é a mais velha. Ela inverte as figuras de baixo para cima e da direita para a esquerda. Ela usa figuras humanas com uma linguagem do corpo perfeita. Suas cores são escuras, mas inacreditavelmente harmônicas. Um gato selvagem em movimento em sua pintura foi atordoante para mim. Mais tarde eu soube que ela tinha muito medo de gatos. Como eu não posso compreende-la ainda, eu prefiro não escrever mais sobre ela agora.

De fato, a maior parte destas crianças são excepcionalmente talentosas na pintura para a  idade delas, o uso do pincel por elas é muito habilidoso, e o seu sentido de cor é desenvolvido. Estas têm uma expressão definida nas formas, de uma maneira realística. Outras não são boas nas formas e expressam mais suas personalidades exatamente através das cores. O comportamento dos traços, a pressão e a fluidez de seus pincéis, fala por elas. Mas todas elas adoram brincar com cores. No final da aula, eu peço a elas que selecionem uma pintura delas e contem a história desta pintura. A maioria delas com menos forma dão mais histórias. De fato, cada uma destas crianças é de outro planeta. E as suas pinturas são reflexos claros do seu ambiente.

Por esta razão, eu acredito que a pintura é uma linguagem perfeita para se comunicar com crianças e encontrar o seu mundo interior, incluindo a sua vida atual, seu consciente e até a sua super consciência.

Ao trabalhar com elas, eu prefiro estimular a sua imaginação com algum tema abstrato e ficar como observadora e ouvinte. Por agora eu vejo que esta é a melhor maneira de abri-las a um espaço para Expressar os seus mundos. Antes que eu termine o meu texto, eu quero convidar a todos vocês para que pintem com as crianças e compartilhem as suas histórias. Eu acredito que cada pequena observação e interação, são preciosos para a compreensão do seu novo mundo.

Fiquem com amor...

Eren Topcu
erentopcu@mailcity.com

 

Tradução: Regina Drumond   reginamadrumond@yahoo.com.br
                Silvia Tognato Magini    silvia@starchildglobal.com

© 2006-7 Eren Topcu and Starchildglobal
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons License.